quarta-feira, 12 de novembro de 2008

conversas de café...


Como todos os dias de manhã, antes de entrar ao serviço, paro num cafezinho perto para a minha bica matinal.
Apesar de ser uma criatura que detesta rotinas, esta provavelmente é das poucas que aprecio e mantenho. Entrar no carro, pôr a musica bem ao meu gosto assim como o volume, e beber a bica sagrada.

Como fumadora que sou, sento-me sempre na esplanada, não por obrigação legal, mas porque sempre o fiz, não gosto de incomodar ninguém. Mesmo sentada cá fora, como é um café pequeno sempre dá para ouvir a conversa alheia, principalmente a feminina, que vai adquirindo um tom mais alto conforme o decorrer do discurso.

Normalmente sou distraída e “despassarada”, mas hoje o assunto, assim como o tom de voz e afinco com que era debatido, não me conseguiu passar despercebido…
Um grupo de senhoras estavam á conversa sobre doenças.
-Eu estive internada com uma meningite por um mês no Hospital de Faro e mais um mês em casa porque me apanhou as pernas!
Outra interrompia:
- Mas olha que eu estive internada três meses porque me rebentou uma veia na cabeça, e nem a cabeça podia mexer, vê lá tu!!!

a 1º interveniente insistia:

- pensei que ia morrer...

- sabes lá, ainda hoje faço Tacs e Ressonâncias Magnéticas caríssimas!!! devolvia a senhora, em jeito de competição.

nisto, uma outra alma que estava sentada na mesa do lado, decidiu também dar o ar da sua graça trazendo uma nova doença á conversa, o cancro.

começou a desfiar um rol de casos na familia, amigos com casos na familia, qual deles o mais negro, sofrido e doloroso, e claro que sempre com episódios propícios ao assunto.

em 5 minutos fiquei a conhecer uns dez casos, mais Tacs, mais análises, etc, etc, etc.

no final fiquei a pensar nisto tudo...


o que mais me impressionou não foram os casos, nem a gravidade, sim porque alguns minha nossa!!!!!!!! e longe de mim brincar com assuntos tão sérios, nem eu sou assim...

o que mais me impressionou foi a rivalidade e a competição que senti, do género estive mais doente que tu, o meu caso foi mais grave, fiz mais exames,enfim.


em vez de simpatizarem com a dor alheia, e pensar secalhar na dose de sorte que teriam tido frente a um caso mais grave, não, falavam disso como se fosse um troféu!!!!

fossem mulheres ou homens a ter este teor de conversa, o efeito seria o mesmo, o que me fez confusão foi a rivalidade com a desgraça alheia.

acho que muitas vezes só nos apercebemos do quão mesquinhas somos quando vemos uma desgraça superior á nossa, e do tempo que perdemos a lamuriar quando vemos que as nossas lamurias poderão ser consideradas benecesses para outros quem sabe...


é uma reacção normal, agora o que não acho normal é presenciar situações como estas... será motivo de orgulho ter estado mais doente????

será necessário enfatizar a desgraça deste modo???

eu pelo menos, considero que não...




8 comentários:

Anjo Negro disse...

Consideras TU e EU...
Mas o ser humano por natureza é competitivo, ele gosta de dizer ao mundo:
"EU SOU ISTO...
EU FIZ ISTO...
EU PASSEI POR ISTO E VENCI...
EU SOU O MAIOR...".
O Homem seja por coisas boas ou más, simplesmente necessita mostrar as suas capacidades (se ele as tem ou não já é outra história)...
E no café ouve-se de tudo um pouco, encontra-se os assuntos mais escabrosos possíveis, é um sitio onde temos uma pequena amostra do pensamento e raciocínio HUMANO, e por vezes temos que dizer que é com tristeza que se ouve o que se ouve...
Bjs Anjo Negro

Antonio saramago disse...

O Grande problema é que cada contadora de casos ou histórias, quer ficar sempre por cima.
É como que dizer, nimguem tem um mal pior que o meu, nimguem sofre mais que eu.
MULHERES!!!!!
O que vai valendo ainda é haver muitas Mulheres não dadas a estas peripécias, do EU SOU MELHOR QUE TU,ou TU NÃO SOFRES TANTO COMO EU...
Já agora vou aproveitar para te incumbir de que quando tiveres oportunidade, dares um beijito de simpatia e carinho á tua amiga Anjo Negro.
Beijinho doce para ti.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Os portugueses gostam de tragédias e melodramas,adoram vitimizar-se. Infelizmente, na doença comportam-se de igual modo. É uma versão adaptada do provérbio popular " A galinha da vizinha é melhor que a minha..."

Tiago R Cardoso disse...

um concurso de doenças ?

Nuno disse...

Olá! Obrigado pelo comentário. O carro não é meu, mas há quem goste de carros destes, por terem poucos quilómetros. A verdade é que o carro está novo. As pessoas idosas são assim mesmo, gostam de competir. beijos

João Pereira disse...

Se não houvesse quem o fizesse não terias sobre o que escrever! O que seria uma viagem de comboio logo pela manhã até Coimbra sem as assombrosas histórias clínicas? Não teria tanta piada.

Alguém disse...

Não, certamente que estar doente não é motivo de orgulho. Mas às vezes penso, entre outras coisas, que estes velhotes pensam que mostrando que estão MUITO doentes é a única forma de ter o carinho e atenção do próximo. Parvalhice. Estar sempre a queixar-se faz com que o desvalorizemos.
Outra coisa que penso é que, competir é algo que lhes dá mais gozo após uma longa vida. E que é que mais têm eles? ...

Espero não vir a ser assim, um dia. :-P

beijinho

Salto-Alto disse...

Eu conheço pessoas assim. Impossíveis de aturar...