sexta-feira, 10 de abril de 2009


Hoje vou abordar um tema que já ando para falar há algum tempo, mas por este ou por aquele motivo não tinha posto ainda, hoje calhou.

A Je conhece uma nina linda de morrer, com um corpo de fazer inveja,uma barbie autêntica, estonteante. Sem problemas de horários ou a quem ter de dar contas ou justificações, começou a trabalhar no mundo da noite, em discotecas como barmaid, onde se ganha um bom dinheiro, está-se num ambiente boémio e mágico a meu ver claro, ou não fosse uma amante da noite, retirada mas fiel eh eh eh.

Como na noite as ofertas para tudo e mais alguma coisa são mais que muitas e generosas, diga-se de passagem, não tardou muito ao factor dinheiro chamar e tilintar para coisas mais aliciantes e não, não me refiro a drogas, é uma nina com cabecinha. Dona de um corpo escultural e um gosto por dança, frequentadora de todo o tipo de aulas do género, fiquei a saber que tinha saído de barmaid e enveredado por dançarina exótica por assim dizer.

Isto para introduzir o tema que quero, o preconceito....

Quando se ouve falar deste tipo de profissão, actividade ou o que queiram lhe chamar, qual é a reacção da maioria das pessoas? " Xiii, está nisso? Deve estar linda deve, eu é que não lhe pegava!" esta já eu ouvi, ou então "Credo, deve dormir com tudo o que aparece", também já ouvi infelizmente, ou " O que o dinheiro faz às pessoas...". Isto cria frases diferentes de acordo com o sexo de quem as diz, sendo que as mulheres dizem por despeito, talvez com uma pitada de ciume ou inveja, ou medo que lhes roubem a preciosidade lá de casa,ou porque uma o faz, não o todo, isto muito no geral como devem imaginar, não vamos pôr tudo no mesmo caldeirão. Os homens então vem-lhes logo à cabeça adjectivos como fútil ou oca, fácil, já para não falar no clichê "usa e deita fora" ou "mulher da vida". Não perdendo de vista que falo numa dançarina e não numa prostituta ou puta, que são coisas bem diferentes, as três entre elas, são infelizmente todas postas da mesma categoria para muitos. Estará isso correcto? Eu penso que não, e como o meu blog se chama exactamente Pensamentos, partilho nele o que penso, acho, acredito e defendo, ou não.

A nivel das mulheres, com lingua afiada e mortal, também sou uma e contra mim falo, não consigo entender o porquê de agirem assim ou falarem assim, cada um sabe de si e Deus sabe de todos, e julgar alguém sem a conhecer além de extremamente injusto, é preconceituoso, e por mais que digam "Ah sou amiga dela e tal"é só aparecer um homem no meio que a relação azeda, sei de casos assim.

A nivel dos homens então, se for para uma relação é logo posta de lado, como se tivesse algo contagioso, se não a conhecerem nem dão hipotese de conhecer, se souberem depois é complicado ou quase impossivel na mesma, impõe-se aqui o sentimento de posse, as piadinhas que alguém virá a dizer, a dúvida se é apenas dançarina ou não, o olhar de terceiros e opinião alheia, enfim, um rol de coisas.

A minha questão é simples: Não terá ela ou elas, ou eles ( o mesmo se aplica no sexo oposto) o direito à felicidade? Terão elas ou eles que ser rotulados e catalogados, postos de lado apenas por fazerem algo que as pessoas não vêem com bons olhos? E mais importante ainda, não é vista com bons olhos porquê????

A dança é uma arte ou não é? Não pagamos para ver um bailado? Não o vemos como arte, apreciamos e aplaudimos? Talvez se cada uma de nós mulheres se esforçasse um pouquinho em aprender e oferecer em casa ao que é nosso, não haveria tanto quem pagasse para ver num bar ou Gentleman's Club, ou mesmo que a timidez, vergonha ou falta de curvas ou formas menos salientes o impedissem, se houvesse um pouco mais de compreensão, talvez fosse diferente. Quanto ao lado masculino, este tipo de profissão é visto como lixo porquê? Quando se paga para ir ver é bom e tal, mas quando se trata de investir numa relação, o ego masculino ferido fala mais alto.... " Mulher minha? Despir-se para outros? Nem pensar! " Mas mesmo quem tem mulher em casa, paga para ir ver a dos outros, certo?

Serão menos dignos de respeito, amor, compreensão ou felicidade do que quem trabalha num escritório sentadinha numa secretária?Serão pessoas mais sérias? Porquê? Quantas assim, com trabalhos mais "decentes" têm comportamentos mais dúbios e camuflados?

Se há coisas com as quais não consigo lidar, são o egoísmo, a injustiça e o preconceito... Não consigo entender, o que é que querem?! Claro está que há quem faça mais do que dançar, ganhe mais dinheiro sem ser apenas a dançar, mas mesmos essas pessoas têm o direito a tudo isso, mas o que me traz aqui é o preconceito, o julgamento feito sem se apurar as causas e fins, o tirar conclusões sem conhecer o principio e desenvolvimento.

Qual seria a vossa reação perante esta situação?

23 comentários:

antonio - o implume disse...

Talvez o preconceito se baseie no uso do corpo como instrumento de trabalho. Eu sou um pouco preconceituoso, por exemplo, não consigo deixar de pensar mal quando oiço dizer aquele ali é um deputado...

sonhos/pesadelos disse...

Antonio, ora aí está outra profissão devassada pelo preconceito...loool
bjs endiabrados

A Teoria do Kaos disse...

Olá,

Vim-te te deixar uma beijoca, tambem o Desejo de uma Boa Páscoa!

Quanto ao convite, dia 12 espreita no teu email ;-)

Beijinhos

Skywalker disse...

Ppreconceitos é o que não falta na nossa sociedade. O ambiente da noitefaz muita confusão a quem o não conhece.


Beijokas

JP disse...

Não vamos ser hipócritas e dizer que não há casos em que a bailarina é mais que isso. A dança é somente uma fachada para negócios sexuais. Daí por vezes o preconceito com quem dança. É tudo colocado no mesmo saco.
Isto é normal e não vejo mal. O problema acaba por ser os juízos de valor distorcidos. Aí concordo contigo. O julgamento em praça pública é mordaz e muitas das vezes injusto.

LopesCa disse...

"Ah sou amiga dela e tal"é só aparecer um homem no meio que a relação azeda, sei de MUITOS casos assim.
As pessoas gostam de falar mal :S

korrosiva disse...

A profissão nada tem a ver com os valores morais de cada um.

Acho que todos nós conhecemos grandes sacanas de ambos os sexos, das mais variadas profissões.
A língua afiada é um mal Tuga, nasce com todos :)

beijinhoss

sonhos/pesadelos disse...

A teoria do Kaos, obrigada pela visita e por teres aceite.
bjs endiabrados e boa Páscoa

Skywalker, seja a noite ou outro assunto, há que conhecer primeiro antes de julgar não é amigo?
bjs endiabrados e boa Páscoa

sonhos/pesadelos disse...

JP, não sou ingénua ou hipócrita e dizer que são todos "puros", é claro que há trafolhice por trás em alguns casos, mas julgar um todo por um individuo não é correcto.
bjs endiabrados e boa Páscoa

LopesCa, infelizmente é verdade...
obrigada pela visita!
bjs endiabrados e boa Páscoa

Korrosiva, o problema é que se misturam os dois, tanto a nivel da lingua como do pensamento e pior, julgamento...
bjs endiabrados e boa Páscoa

Inconstante disse...

bom dia
quanto aos homens que gostam de ver, mas teriam algum problema em assumir uma relação com uma mulher com uma profissão dessas...acho que não há nada a fazer - a virilidade deles estremece com muito pouco (salvo raras excepções ou aqueles que tambem trabalham no meio da noite ou do strip).
quanto a mim, acho que não se deve julgar antes de conhecer (sempre em qualquer situação - a injustiça é uma merda!), mas lá está dependendo do conhecimento de cada um, se existem pessoas que ao ouvirem falar em strip lhes vem à ideia clubes altamente seleccionados em que a dançarina é intocável (pelo menos à vista) e em que os "cavalheiros" só obrigados a comportarem-se, outras há que se lembram logo daqueles homens nojentos a babarem-se e "babosarem" para cima do palco e a meterem a nota na cuequinha, e inevitavelmente achamos que quem se sujeita a este tipo de coisas não é por gosto, só pode ser por dinheiro, logo achamos que só quem anda metido nas drogas é que precisa assim tanto de dinheiro (enfim, é um ciclo de pensamentos interligados que tem por base a realidade de muitas raparigas, mas obviamente não todas).
Enfim...tanta "cunbersa" para dizer - não julgues!

Skywalker disse...

Pois é amiga. Mas a maior parte das pessoas julga antes de conhecer, e a partir desses julgamentos normalmente é raro haver direito a absolvição.
É lamentável esta sociedade em que vivemos.

Beijokas

sonhos/pesadelos disse...

Inconstante, a minha base parte daí mesmo, apesar de haver casos em que o que impele algumas raparigas ser algo mais forte como a droga ou algo assim,e se sujeitarem a mais do que dançar, também há muitas que o fazem por uma questão de ter uma vida financeira melhor, sem terem de fazer algo mais, mas mesmo que o façam, quem somos nós para julgar algo ou alguém que não conhecemos? quem somos nós para lhes fechar a porta ou criticar?
bjs endiabrados e boa Páscoa

Skywalker, a sociedade não se resume à portuguesa mas à mundial,a portuguesa peca é por ser pequena demais...
bjs endiabrados e boa Páscoa

Sanxeri disse...

O preconceito existe, é certo. Mas todos nos sabemos que este preconceito faz sentido.

Muitas dessas meninas acabam por enveredar por outros caminhos que nao só a dança.

E dançar é arte. Dançar descascada para meia duzia de homens babões é... é outra coisa que nao arte. ;)

Digo eu. Sou assumidamente critica no que toca a mundos desses

★ Aralis ★ disse...

Sinceramente odeio preconceito!
Contra senhoras de rua, por assim dizer, já torço o olho mas ão critico, ou faço por nã; agora dançarinas exóticas, apoio a 100%, se calhar muitas delas sabem dar-se mais ao respeito que muitas menininhas de empresa(com que contacto) que se fazem de púdicas e são mas pu...as!

Odeio o estereótipo que as pessoas fazem só por ouvir falar, ou por inveja...
Odeio ouvir falar mal só porque sim, sem fundamentos, sem motivos!RRR
Força para ela, e para todas as pessoas que se atrevem a ser diferentes!
Desde que haja uma base de respeito por nós mesmos (que se lixem os outros), não tem de haver preconceitos!

Ninja! disse...

Eu não tenho nada contra dançarinas exóticas... ;)

Salto-Alto disse...

Sinceramente não sei. Eu acho que não tenho preconceitos desse género, mas também nunca me deparei com a situação. Sinceramente, acho que não seria preconceituosa, mas não quero ser cínica: até viver a situação não me adianta estar aqui a dizer que sou muito boa pessoa e que não ia reagir assim ou assado.

Beijocas!

sonhos/pesadelos disse...

Sanxeri, assim como eu tenho esta maneira de pensar,tu tens toda a legitimidade de ter a tua, e agradeço que o tenhas feito. A beleza do ser humano é essa mesma, podemos ser diferentes, ter pontos de vista diferentes e podermos aprender com todos eles. Conto contigo no meu blog!!!!
bjs endiabrados

Aralis, mesmo as senhoras da rua merecem o nosso respeito e amor por parte do sexo oposto. quanto às dançarinas estou contigo nina,não temos o poder de julgar sem saber...
bjs endiabrados

sonhos/pesadelos disse...

NInja, ainda bem que assim é, até pk quanto a mim nada têm de diferente, mas cada um é como cada qual, e cada um sabe de si e Deus sabe de todos.
bjs endiabrados

Salto-Alto,concordo contigo sim,o meu intuito é fazer pensar um pouco neste tipo de situações que poucas vezes se falam ou debatem.
Em casos concretos todos nós podemos reagir conforme a nossa maneira de ser, não sendo melhor pessoa ou pior por reagir diferente.
bjs endiabrados

Inconstante disse...

desculpem, mas eu tenho que dizer mais uma coisinha: conquanto não prejudiques ninguém e isso inclui-te a ti (i.e. desde que te sintas verdadeiramente bem com o que fazes, mesmo que isso inclua vender o teu corpo a estranhos) ninguém tem o direito de te apontar o dedo!

Inconstante disse...

e já agora, começando uma caça às bruxas, por que não cruxificar as modelos quando estão na passerele (revistas, televisão, outdoors)...não é striptease? ah não! desculpem aí elas não tiram nada, já estão praticamente nuas.

sonhos/pesadelos disse...

Inconstante,fiquei um pouquinho na duvida se achas que eu julguei alguém, e na volta até o fiz, julguei quem julga sem se dar ao trabalho de saber o porquê e mesmo o sabendo,e incorri no mesmo erro, mas ninguém tem esse direito.Tal como dizes, mesmo que seja no caso de vender o corpo a estranhos, desde que se sintam bem com isso, ninguém pode apontar o dedo, e como muito bem referiste na caça ás bruxas(adorei:) o caso das modelos, também elas vendem o corpo,mas aí não se ouvem comentários ou julgamentos, porque será? não será uma forma de vender o corpo também? seja como for, ninguém tem o direito de condenar, julgar ou criticar nada. eu pelo menos penso assim...
bjs endiabrados

Inconstante disse...

não amori, tu não...

Karlytus disse...

na teoria e racionalmente dar-te-ei uma resposta q te agradará.. na prática talvez nem por isso..

ou seja concordo q os preconceitos nos fazem mal e q além de nos tolherem as vistas nos privam da liberdade contudo somos animais sociaveis e crescemos influenciados e como tal existem mto preconceitos q fazem parte de nós, quer os aceitemos ou nao..

porém devemos tentar sempre evitar ajuizar sem estarmos na posse de todos os factos..

Um beijinho azul..